Arte é para todo mundo ver

por Maria Elizabeth França Araruna – arquiteta, designer, produtora cultural, curadora da BA Arte, Recife Brasil

Digo sempre que tenho uma sorte imensa em conviver com pessoas extraordinárias. 

Radha Abramo, uma senhora suave e criativa que me ensinou não só sobre arte, mas também sobre a vida, é uma dessas pessoas com quem tive a sorte de dividir meu trabalho e minha existência e autora da frase que dá título a este texto.

Quando a convidei para ser curadora do projeto “Eu vi o mundo… Ele começava no Recife”, intervenção cultural e urbanística no centro da capital pernambucana comemorativa da passagem para o novo milênio e parte das celebrações dos 500 Anos do Descobrimento, não imaginava então toda a grandiosidade dessa mulher. 

A intervenção física na Praça Rio Branco, popularmente chamada de Marco Zero por ser o ponto a partir do qual todas as distâncias do Recife são medidas, implicava em sua ampliação, com a inserção de um enorme painel de Cícero Dias, intitulado “Rosa-dos-ventos”, no piso de sete mil metros quadrados da praça e a instalação de uma série de esculturas monumentais de Francisco Brennand sobre o molhe de arrecifes naturais, destacando-se uma torre intitulada “Coluna de Cristal”.

O projeto “Eu vi o mundo…”, cujo título foi inspirado no painel homônimo de Cícero Dias, foi uma das maiores intervenções urbanas feitas no que é chamado de Recife Antigo. Proposto pela Multi Consultoria – empresa da qual participavam o ex-prefeito e ex-governador Gustavo Krause e o arquiteto Paulo Roberto de Barros e Silva – teve projeto arquitetônico de um dos mais renomados arquitetos pernambucanos, Reginaldo Esteves, consultoria histórica do arquiteto Fernando Borba e minha participação como consultora cultural e, posteriormente, como curadoria adjunta.

Ao vislumbrar a grandiosidade do projeto, minha escolha imediata foi RadHA Abramo para ocupar a função de curadora e tratei de convidá-la pessoalmente.

Na época com 82 anos e dona de um conhecimento de boa parte do planeta, Radha nos impressionava por seus múltiplos saberes: estudou filosofia, estética, História, artes plásticas, comunicação e sociologia política.

Revista - Veículo#4 - 2012