VillaChan – Rever, Refazer, Reencontrar

Ver as figurações de paisagem de Francisco Villa-Chan é fazer o caminho das terras de Pernambuco e encontrar o cenário onde as cores do céu, do barro, das folhas, se espalham sob o sol e nos trazem uma agradável sensação de familiaridade.
Encontrar as expressões abstratas de Francisco Villa-Chan é fazer um percurso inovador pela sua expressão artística e ver até onde nos leva a sua criatividade e a sua capacidade de nos transportar ao território – para muitos, desconhecido – da sua arte interior.
Villa-Chan pinta o que gosta e o que sente.
Se as pessoas gostam das cenas que ele reflete do mundo exterior ou se elas se encantam com a beleza das suas abstrações, é apenas o resultado da dedicação e seriedade com que ele encara o ofício de pintar, da catpacidade de transmitir aos outros o que está em seus olhos ou em seu coração.
Os que sempre lhe acompanharam, sabem que quando ele pinta uma cena da vida real, quase que em seguida sente a necessidade de expressar também o sentimento que ela lhe provocou, com uma explosão de cores que remetem à vanguarda abstracionista na qual se inseriu nos anos 60 e onde continua a experimentar, até hoje.
Para Francisco Villa-Chan, Ver é Fazer, é Encontrar.
Para nós, que podemos apreciar a reunião dessas diferentes vertentes do seu trabalho, ver e rever Villa-Chan, encontrar o seu mundo exterior e reencontrar as cores do seu mundo interior, é fazer um caminho conhecido, mas que nos leva a um Vila-Chan ainda melhor e sempre coerente com a sua pintura e consigo mesmo.
E que não se cansa de fazer e refazer sua arte.

Recife, setembro de 2013
Beth Araruna

FRANCISCO VILLACHAN NETO

Exposições INDIVIDUAIS
(1959 – 1982 – 1987 – 1992 – 1994 – 1998)
2013 – Re-Ver, Fazer, Encontar – Espaço Villa-Chan e Galeria Barte Virtual

Exposições COLETIVAS
1986 – Projeto “Esculturas nas Praças” com Alex Mont ‘Albert
1993 – Arte no Metrô
1995 – Exposição Internacional de Arte Postal
1998 – Inauguração do Atelier / Galeria c/exposição permanente – Espaço Villa – Recife/PE.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1984 – Tratos de Artes de Pernambuco – José Cláudio
1987 – Arte do Nordeste – Editora Spala
1987 – Catálogo Pernambucano de Arte – Grupo X

OBRAS EM ACERVO:
1983 – Galeria Metropolitana Aloísio Magalhães
1983 – Fundação Joaquim Nabuco
1985 – Academia Pernambucana de Letras
1988 – Museu Militar Forte do Brum
1989 – Museu da Cidade do Recife
1993 – Museu Murilo LaGreca

FRANCISCO VILLACHAN BOM DIA PE – GLOBO